Agatha

Agatha

Gênero: Romance

SINOPSE:
Agatha L. Zummach perde seu pai ainda criança e se muda seu país de origem sonhando em voltar para sua terra natal desde então até que atingisse uma idade apropriada. No seu aniversário de dezessete anos, é emancipada e tem seu sonho realizado, ou talvez, o início de seu pesadelo.


AUTOR: Lilith Lee

http://editoraviseu.com.br/uploads/2017/07/lilith-lee-1499259230.jpg

BIOGRAFIA:
Nasci na cidade de Porto Alegre no estado do Rio Grande do Sul no dia quinze de agosto do ano de mil novecentos e noventa e oito, sou filha de Maria Isabel da Costa e Luis Henrique dos Santos Silva. Depois de um ano morando com meus avós paternos, fomos para o interior, numa cidade chamada Arrio do Meio, onde moram meus avós maternos e todo o restante da família de minha mãe.
Logo meus pais conseguiram alugar uma casa cuja era constituída por um quarto, um banheiro e a sala e a cozinha ficavam no mesmo cômodo, mas era bem aconchegante, lá eu tinha um pátio enorme com uma boa vizinhança, ainda me divertia com minha gatinha que apelidei carinhosamente de Cyndi, infelizmente, eu não lembro o porquê eu coloquei esse nome. Nos horários que meus pais estavam trabalhando, eu ficava em uma Creche, a primeira que fiquei eu não gostava muito do local, mas não tenho tantas lembranças de lá, talvez isso fosse um agradecimento.
Seguidamente, meus padrinhos nos convidavam para acampar no Rio que havia perto da casa de minha avó, nós passávamos finais de semanas em barracas, desfrutando da natureza, que bons tempos aqueles, não nos incomodávamos com os duros cascalhos debaixo dos nossos pés. Sempre era triste a hora de ir embora e voltar para casa.
Quando surgiu a oportunidade, meus pais mandaram construir uma casa para que pudéssemos finalmente ter de fato um cantinho só para nós, Cyndi, e um novo morador que chegou seguidamente, Gibson, um cachorro que ganhei de um parente como presente, não sei dizer se Cyndi e Gibson foram os melhores animais que já tive o prazer de cuidar, mas com certeza os mais inesquecíveis.
Quando finalmente a nossa casa foi construída, eu consegui fazer minha primeira visitação antes de completar seis anos de idade, acredito que eu estava completando meus dois anos, mas estou falando precocemente, pois eu não me recordo da idade que possuía na época. Diferentemente da antiga casa, o pátio era maior e a casa melhor dividida, havia dois quartos, uma sala separada por uma pequena divisão da cozinha, um banheiro e uma área onde ficava a lavanderia e a churrasqueira.
Quase todos os dias tinha reunião em família, pois meus padrinhos moravam na rua de trás, eu e meus primos brincávamos durante toda à tarde até escurecer enquanto os adultos bebiam e gargalhavam falando coisas que na época, nem ao menos entendíamos. As horas passavam e pareciam minutos quando já era hora de dormir.
No outro dia, meus pais tinham de trabalhar, enquanto eu ficava em uma nova creche que era bem melhor que a primeira, ao contrário da outra, nesta, eu gostava de ir, tinha amigos e as educadoras eram atenciosas e pacientes com todas as crianças.
Aos meus seis anos eu voltava para minha cidade natal, Porto Alegre, que é onde moro até hoje, perto da família do meu pai, frequentemente fazemos visitas de final de semana na casa dos meus avós em Arroio do Meio. Quando viemos pra cá, Cyndi já não estava mais viva, e meus pais haviam doado Gibson para outra família. E eu me sentia sozinha, pedia a eles um irmão ou um animalzinho que me fizesse companhia.
Logo, comecei a escola e apesar dos amigos, ainda queria alguém para compartilhar minhas brincadeiras que não fosse meus pais, que nunca me deixaram sentir-me só. A primeira escola que fiquei me trouxe boas lembranças, e algumas um pouco desagradáveis, mas que agora, fosse mais uma lembrança engraçada guardada na caixa.
Com o tempo fui crescendo e eu descobri minha paixão por animais e a música, então meus sonhos de criança eram: Ser uma cantora famosa e Veterinária para salvar os animais. Mas esses foram meus primeiros sonhos de muitos que tenho até hoje, alguns acredito que eu tenha deixado no meio do caminho, pois costumo dizer a mim mesma que sou uma colecionadora de sonhos. Bem, eu cheguei a fazer um curso de canto por um tempo, mas por motivos financeiros tive que deixar o curso.
Aos doze anos meus pais me presentearam com meu melhor amigo, Luis Felipe dos Santos Silva, meu irmãozinho. Certo, eu não tinha mais uma idade para brincar das mesmas coisas que ele, mas ainda sim, foi um dos dias mais felizes da minha vida, e no ano seguinte, nos presentearam com minha cachorrinha Lola.
Nesse mesmo ano, eu descobri minha paixão por escrever e minha habilidade de criar personagens e histórias, não que meus personagens sejam sempre os melhores elaborados, ou até mesmo, que minhas histórias sejam as melhores a serem contadas, mas eu dei uma chance a elas e coloquei-as num papel.
Partindo daí, qualquer sonho, qualquer frase, qualquer refúgio da minha imaginação contava para criar uma nova história ou continuar uma já existente, porém, o acúmulo de minhas histórias ficaram cheias que o bloqueio criativo chegava a todas, não havia uma exceção, ou eu parava de escrever no final, ou na metade, ou nem conseguia começar o que foi me deixando desmotivada.
Foi então que após três anos deixando-as parada, eu parei para reler todas e perceber que apesar de minha escrita na época não ser as melhores, eu conseguia buscar a ideia do texto e refazê-lo de um modo melhor e mais elaborado, assim, terminando o meu primeiro livro e concretizando um dos meus inúmeros sonhos que guardo dentro de mim.



« voltar